Além dos pacientes do dia a dia, os psicólogos que atuam em unidades de saúde ajudam os demais profissionais a enfrentarem o momento de pandemia.

A psicóloga Lohana Tavares, que atua no Centro de Referência Covid-19 de Angra dos Reis, fala sobre o desafio de lidar com pacientes nesse momento tão delicado:

– Tem sido um momento bem conturbado. É um desafio trabalhar com as dores emocionais, com as demandas dos profissionais, funcionários da unidade e familiares dos pacientes neste período de pandemia. Temos que ajudar os pacientes a lidar com a vulnerabilidade, as angústias, o medo da doença e a felicidade de uma alta. – Lohana ainda ressalta:

– Eu costumo dizer que a Covid é uma doença que afeta o corpo e o emocional. Lidei com demandas emocionais dos meus pais e familiares. Na verdade, a gente precisa aprender a sentir para poder lidar, vivendo um dia de cada vez. O vírus está aí, traz consequências muito graves. Continuar a usar máscara é um ato de amor e de responsabilidade; evitar aglomerações e higienizar sempre as mãos é muito necessário para não ter consequências piores. –  concluiu Lohana.

Danielle Netto, psicóloga da Clínica da Família Sérgio Vieira de Mello, também avaliou esse período:

– Desde o início da pandemia, que foi um momento de muitas incertezas e de muitas dúvidas, nós, profissionais de unidades de saúde, precisávamos de ajuda. Desenvolvemos um trabalho mais voltado para arteterapia e sensibilização, relaxamento, danças circulares, colagem e musicoterapia. Eu trabalho aqui e em mais três unidades da CAP (Coordenadoria de Saúde da Área de Planejamento) 1.0, e ofereci esse mesmo trabalho de apoio ao profissional. O retorno foi ótimo, refletiu diretamente no acolhimento dos pacientes. – Danielle ainda complementa:

– A demanda dos usuários também foi muito grande. Eu percebi um aumento da violência doméstica. Tivemos pacientes com ansiedade, depressão e tentativa de suicídio. Tivemos um caso em que o paciente tentou se jogar de um prédio, foi impedido e encaminhado para o nosso serviço. Devido ao trabalho que a gente fez com o paciente e sua família, hoje ele já está estabilizado. Ele teve atendimento multidisciplinar aqui na unidade, passando por vários profissionais. Ele está tomando a medicação corretamente e faz exercícios para regular o humor. Sempre nos colocamos à disposição e acolhendo todo e qualquer caso. – Danielle finaliza:

– A pandemia ainda está aí. Temos uma nova variante circulando. Mesmo vacinados, é necessário mantermos os cuidados de sempre: higienização das mãos, usar máscara e evitar aglomerações. É para um bem maior. Precisamos derrotar esse vírus!